Mega roleta

SEÇÕES

Polícia Federal desarticula esquema de envio de armas para facções brasileiras

Até o momento, cinco indivíduos envolvidos no crime foram detidos no Brasil, e outros 11 foram presos no Paraguai

Tráfico de armas | Investigação internacional
FACEBOOKWHATSAPPTWITTERTELEGRAMMESSENGER

Nesta terça-feira (5), a Polícia Federal (PF) deflagrou uma operação que desarticulou um grupo suspeito de fornecer 43 mil armas aos líderes das maiores facções criminosas do Brasil, como o Primeiro Comando da Capital (PCC) e o Comando Vermelho, movimentando cerca de R$ 1,2 bilhão.

A ação policial abrange 25 mandados de prisão preventiva, seis de prisão temporária e 52 de busca e apreensão em três países: Brasil, Estados Unidos e Paraguai. O principal alvo, Diego Hernan Dirísio, considerado o maior contrabandista de armas da América do Sul, ainda não foi localizado.

Até o momento, cinco indivíduos envolvidos no crime foram detidos no Brasil, e outros 11 foram presos no Paraguai. A Justiça da Bahia, responsável pela operação, determinou que os suspeitos detidos no exterior sejam incluídos na lista vermelha da Interpol, buscando sua prisão e posterior extradição para o Brasil.

A investigação teve início em 2020, quando a apreensão de pistolas e munições no interior da Bahia revelou armas com numeração raspada. Por meio de perícia, a PF obteve informações cruciais que impulsionaram a investigação.

Diego Hernan Dirísio é o principal alvo da operação - Foto: Investigação Internacional

Compra de armas

A cooperação internacional que culminou na operação desta terça-feira apontou que um argentino, proprietário da empresa IAS, sediada no Paraguai, adquiria armamentos, como pistolas, fuzis, rifles, metralhadoras e munições, de fabricantes em países como Croácia, Turquia, República Tcheca e Eslovênia.

Durante o período de novembro de 2019 a maio de 2022, a empresa de Dirísio importou 7.720 pistolas da Croácia, além da compra e venda de 2.056 fuzis produzidos na República Tcheca e cinco mil rifles, pistolas e revólveres produzidos na Turquia. Outras 1.200 pistolas foram importadas da Eslovênia, totalizando 16.669 armas.

Após as aquisições, as armas eram comercializadas para facções criminosas brasileiras, especialmente em São Paulo e no Rio de Janeiro. O esquema envolvia ainda a participação de doleiros e empresas fictícias no Paraguai e nos EUA. As investigações indicam práticas de corrupção e tráfico de influência na Direccion de Material Belico (DIMABEL), órgão paraguaio responsável por controlar, fiscalizar e autorizar o uso de armas, facilitando o funcionamento do esquema.

Para mais informações, acesse hdxgyy.com

Leia Mais


Participe de nosso grupo no WhatsApp, clicando nesse link

Entre em nosso canal do Telegram, clique neste link

Baixe nosso app no Android, clique neste link


Tópicos
Mega roleta Mapa do site