Mega roleta

SEÇÕES

Macron rejeita acordo entre Mercosul e União Europeia em oposição à Lula

O Brasil detém a presidência do Mercosul até o final de dezembro, e cada país membro, exceto a Venezuela, assume a liderança do bloco por seis meses.

Lula e Macron se reuniram neste sábado (02) | Ricardo Stuckert
FACEBOOKWHATSAPPTWITTERTELEGRAMMESSENGER

As conversações entre Mercosul e União Europeia estavam em estágio avançado, porém, neste sábado (2), o presidente francês, Emmanuel Macron, um dos principais líderes europeus, manifestou sua oposição ao acordo de livre comércio entre os blocos. O governo brasileiro esperava finalizar o acordo na próxima semana, antes da posse do novo presidente argentino, Javier Milei, crítico do Mercosul, agendada para 10 de dezembro.

A declaração de Macron surgiu após uma reunião bilateral com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva em Dubai, onde os líderes participam da COP 28, a Conferência da ONU sobre Mudanças Climáticas. Durante uma interação com a imprensa, Macron classificou o acordo de livre comércio como desatualizado e "mal remendado". As negociações, iniciadas em 1999 e envolvendo 31 países, buscam isentar ou reduzir as taxas de importação para bens e serviços produzidos pelos dois blocos.

Leia Mais

O presidente francês argumentou que a versão atual do acordo entra em contradição com as políticas e ambições ambientais do Brasil. Ele afirmou que o acordo é prejudicial para todos, pois não seria justo exigir que agricultores e indústrias francesas reduzam as emissões de carbono enquanto as tarifas são eliminadas para importar produtos que não seguem as mesmas normas.

Essas declarações surgem em um momento em que o Brasil busca se posicionar como líder na agenda ambiental global. Em resposta, o presidente Lula destacou o direito de Macron expressar sua opinião e mencionou o histórico protecionista da França, ressaltando que a posição de Macron não representa a posição unificada da União Europeia.

O Brasil detém a presidência do Mercosul até o final de dezembro, e cada país membro, exceto a Venezuela, assume a liderança do bloco por seis meses.

Não é a primeira vez que a França cria obstáculos nas negociações, com questões ambientais surgindo anteriormente. Em 2019, Macron acusou o ex-presidente Jair Bolsonaro de mentir sobre os compromissos do Brasil com o Acordo de Paris e expressou a oposição da França ao acordo. Em janeiro de 2022, Macron criticou o Mercosul, especialmente o Brasil, por não cumprir o Acordo de Paris em um discurso no Parlamento Europeu.

Não é a primeira vez que a França cria obstáculos nas negociações, com questões ambientais surgindo anteriormente.  a determinação da União Europeia em concretizar o acordo.



Participe de nosso grupo no WhatsApp, clicando nesse link

Entre em nosso canal do Telegram, clique neste link

Baixe nosso app no Android, clique neste link


Tópicos
Mega roleta Mapa do site